abril 17, 2011

I'm alone (restart)

Acordei e parecia que a minha vida tinha acabado de recomeçar do zero, sentia-me diferente, realmente feliz. Um sentimento de felicidade que tinha sentido, realmente, muito poucas vezes! Olhei para o relógio e apercebi-me que já eram 9:30h, já estava meio atrasada, as aulas começavam dali a meia hora e eu ainda me encontrava deitada na cama a olhar para o tecto, presa nos meus pensamentos. E depois lembrei-me de Pierre, que dissera que iria esperar por mim à porta do quarto, para irmos juntos para o colégio. Levantei-me apressada, dirigi-me a porta, ainda de pijama, abria e convidei-o a entrar, ele alegou que não se encontrava ali à muito tempo, mas eu fiquei com a sensação que ele só estava a ser gentil. Pedi-lhe desculpas e, com a roupa para vestir, dirigi-me a casa de banho e em 5 minutos despachei-me. Fomos, juntos, tomar o pequeno-almoço e depois dirigi-mo-nos ao colégio. Eu, sempre tinha ficado sentada sozinha na carteira, ninguém na turma gostava de mim. Ele, após ser apresentado à turma dirigiu-se a minha mesa e sentou-se ao meu lado. Consegui ouvir os comentários de toda a gente, de todos os nossos colegas, umas diziam que ele era lindo de morrer, as outras indignavam-se por ele não se sentar ao pé delas mas ao meu e, até os rapazes, comentavam que já toda a gente estava interessado nele e ainda agora ele tinha chegado. Era uma sexta-feira e, tínhamos umas férias de uma semana após este dia de aulas e, por isso, havia um baile na escola. Pierre fora convidado por umas 5 raparigas e eu, permanecia sentada, a olhar para elas todas, a pensar na lata que tinham por estar a convidar um rapaz que conheciam à uma hora e meia, apercebendo-me que estava a sentir-me com ciumes e, também eu, apenas o conhecia à pouco tempo, muito pouco .. Pierre recusou o convite de todas, gentilmente, e dirigiu-se a mim convidando-me: primeiro não soube o que dizer, não reagi, fiquei a olhar para ele até que percebi que ele estava já a pensar que não queria ir, ficando um pouco desiludido até; depois, rapidamente e esboçando um grande sorriso disse-lhe que sim. Após o final das aulas ele acompanhou-me até a porta do meu quarto e eu, com um beijo rápido que lhe dei na cara, despedi-me dele e apressadamente entrei no quarto para me vestir. Ainda o ouvi dizer "Ás 19:30h estou aqui, até logo".
Fui tomar um longo banho e quando me apercebi já eram 18:30h, tinha uma hora; dirigi-me ao armário e encontrei o meu vestido, que uns antigos pais adoptivos me tinham mandado à pouco tempo: acabava mesmo acima dos joelhos, era cai-cai e ficava-me realmente bem, era de um azul marinho bastante bonito. Vesti-o, calcei uns sapatos, um pouco, altos e fui-me pentear, sentei-me em frente ao espelho, apanhei o cabelo, soltei-o, voltei a apanhá-lo e fi-lo umas quantas vezes ainda. Acabei por decidir levá-lo solto. Eram 19:30h e já Pierre se encontrava à porta. Fartou-se de me gabar, de dizer que eu era a rapariga mais linda da festa. Não esperamos pelo fim do baile e, passado uma hora e meia, quase duas, dirigi-mo-nos ao jardim, fomos passear e senta-mo-nos a olhar as estrelas. Começava a ficar frio e ele, como na noite anterior, envolveu-me no seu casaco. Quando dei por mim, encontrava-me deitada no seu colo, com ele a fazer-me festinhas no cabelo, sentia-me tão bem. Deu-me um beijo na face e ouvi-o dizer, num sussurro "é estranho, mas eu gosto muito de ti". Ficamos assim muito tempo e eu sorria, não precisamos de falar muito para percebemos que, ambos, queria-mos que aquilo durasse. Fazia-se tarde e nos tínhamos de voltar; novamente, acompanhou-me ao quarto. Despedi-mo-nos e eu vim escrever, foi tudo tão maravilhoso.
Marrie

[inventado]

26 comentários:

  1. Estou a adorar a história
    Muitos parabéns :)

    ResponderEliminar
  2. Está a ficar muito giro :]
    Gosto do nome Pierre, também é usado na história que estou a escrever :o
    Bejinhos ^^

    ResponderEliminar
  3. eles até sabem o que querem, e nós também sabemos o que é.. nós que não lhes queremos dar isso, pelo menos não logo.. depois somos "complicadas".

    ResponderEliminar
  4. pois é, mas eu prefiro ser difícil e que caguem em mim, do que ser fácil, e dar-lhes o que eles querem sem que eles tenham sequer de estalar os dedos. Se lutarem por mim é porque merecem e gostam de verdade, se não lutarem a primeira a cagar sou eu.

    ResponderEliminar
  5. também é comum acontecer, tens razão. Muitas das vezes lutam só para provar que conseguem conquistar a "tal" rapariga difícil. O que para eles é um troféu.

    ResponderEliminar
  6. concordo plenamente, só não sei onde andam os outros 10%, devem andar bem longe de mim :b

    ResponderEliminar
  7. de nada ritinha, só digo a verdade :)

    ResponderEliminar
  8. e tu também, tanto querida como boa escritora *o*

    ResponderEliminar