maio 05, 2011

I'm alone (I don't know what to do)



[Carta para Pierre]
Mon amour, sinto tanto a tua falta. No outro dia só pensava em seguir aquela estrada, dos caminhos de ferro, e ir ter contigo, o mais rápido possível. Ansiava andar e andar e chegar perto de ti, como podes calcular, não fui capaz; não é que não tenha tido coragem de prosseguir aquele caminho poeirento e solitário, que apenas vê, os comboios passar e um ou outro animal. Não, não foi isso. Sabes, acho que tive medo da tua reacção, medo que ja não me quisesses, medo que alguma coisa tenha mudado, não sei. Diz-me tu, tenho algum motivo para ter medo? Diz-me se alguma coisa me deve fazer tremer de noite, com medo que te vás embora, se alguma coisa me deve fazer chorar. Prefiro saber se alguma coisa mudou, no teu pequeno coração, ou se é apenas parvoíce do meu ... Sabes toda a minha historia, nunca tive ninguém como tu. Mas peço-te, se tiveres de ir embora, avisa previamente, assim posso preparar o meu coração para que este não fique com cicatrizes que durem muito, que levem tanto tempo a curar como as outras que ele já tem, ou que nao se curem mesmo. Preciso de saber. Eu amo-te, tu sabes.
Marrie

[Carta para Marrie]
Desculpa-me por não ter dito nada antes, mas não sabia o que fazer em relação a isto. Eu não posso voltar aí, ainda por cima, agora, há outra pessoa. Desculpa, não sei como aconteceu, conheci-a do nada, mudou o que eu sentia por ti e eu não sei como. Desculpa por não ter tido coragem suficiente para ter ido ter contigo e falado contigo pessoalmente, mas não aguentaria ver-te chorar e as coisas tornavam-se diferentes. Não te consigo explicar tudo isto, por isso não fui capaz. Desculpa, mas não me poso demorar com isto, tenho que me despachar, tenho pessoas á espera. Desculpa-me por isto, por esta situação. Serás sempre alguém que tornou, parte, da minha vida melhor … Acredita, as coisas são melhores assim. Um dia explico-te tudo como deve de ser, prometo. Adeus, por agora, minha querida
Pierre

Após escrever a carta, Pierre, começou a chorar. Tudo aquilo era mentira, mas ele não podia admiti-lo queria fazer o melhor para ela, e talvez tivesse feito o pior. Ele amava-a mas, agora, não podia voltar atrás. Ela não podia sabe-lo. Dirigiu-se a casa de banho e lavou a cara, desceu as escadas e colocou a carta no correio, a ultima coisa que disse antes de a enviar foi "amo-te Marrie" e não disse mais nada todo o dia ...

[inventado]


18 comentários:

  1. Venha ver o meu blog, diga o que procura se eu não tiver :)

    ResponderEliminar
  2. Que lindo! Adorei!
    Quero a continuação!

    ResponderEliminar
  3. Olá! Apaguei porque eu estava a escrevê-la e queria pré-visualizar, mas enganei-me e cliquei em publicar mesmo sem o capítulo estar terminado. :) ainda hoje o publico! um beijinho!

    ResponderEliminar
  4. amo!*
    acredita, está lindo, muitos parabéns (:

    ResponderEliminar
  5. Olá! Obrigada! Ainda bem que gostaste! um beijinho!

    ResponderEliminar
  6. Obrigada Rita, és um amor *-*
    Sem palavras, amo !

    ResponderEliminar
  7. Independentemente do resultado tenho a certesa de que a história está incrivel, estou ansiosa para a ler *-*

    ResponderEliminar