abril 14, 2011

Carta de Despedida X (Fim)

Martim, alegando estar cansado da viagem, foi se deitar e, rapidamente, adormeceu, Ambos, Gonçalo e Maria, sabiam que isso não era verdade, mas fingiram acreditar. Ao acordar, Martim, comunicou que queria ir a casa da mãe de Matilde falar com ela e agradecer-lhe por ter ido lá por as flores e, além disso, pedir desculpa pelo que tinha acontecido, ele sentia-se incrivelmente culpado.
Mãe de Matilde: Eu percebo que te sintas culpado mas ... - caíram-lhe umas lágrimas - não te podes culpar pela decisão dela; ela amava-te é verdade, não aguentou o sofrimento mas, por muito que me custe, foi ela que escolheu o seu caminho. Eu não quereria outra coisa senão essa: que ela tomasse as suas decisões por si própria. Mas, preferia, como é óbvio, tê-la aqui! Eu não te culpo, não te culpes também. De certeza que, até ao último segundo, ela também não o fez.
Martim: Muito obrigada pelas suas amáveis palavras, eu tentei negá-lo, mas sei que a culpa é minha. Desculpe o incomodo, boa tarde! -disse, saindo pela porta, quase a correr.
Martim dirigia-se rapidamente, sem olhar, até à estrada, sem procurar sequer uma passadeira. Do outro lado encontravam-se de costas Gonçalo e de frente Maria.
Maria gritara-lhe para ficar parado e Martim, só tivera tempo de ver Gonçalo virar-se rapidamente para trás. Sentiu um embate e, depois, apenas ouviu Gonçalo e Maria a chamá-lo e ligar para o 112.
Martim morreu no local, sem sequer ter hipóteses de ser socorrido pelos paramédicos sendo que, a última pessoa de que se lembrou fora de Matilde e, antes de ir, sorriu a Gonçalo e Maria e, a custo, disse: "Estou feliz, vou ter com ela. Já a vejo. Até um dia, voltarei a ver-vos"
Provavelmente a imagem que tinha dela na cabeça foi o que o fizera pensar que se encaminhava na sua direcção, não se sabe, mas a verdade é que ele tinha sido sepultado junto dela; assim, estariam sempre juntos!

[inventado - fim]

20 comentários:

  1. Olá! Ontem, finalmente, li a tua história toda tal como prometi :) Eu gostei da parte inicial, acho que foi um acto nobre de Martim ter-se alistado. Ele, de certa forma, é um bocadinho de toda gente: cometeu um erro mas quer remediá-lo tendo em vista colmatar a sua dor. Gostei sobretudo do final. :) Acho que foi um final "pacífico" e, afinal de contas o que ele desejava realizou-se :) Eu gostei muito! :D Quero ver a próxima! ;) beijinho!

    ResponderEliminar
  2. nao está nada de mais, mas obg rita :p
    adoro!

    ResponderEliminar
  3. De nada, fui sincera :) eu vou postar o final hoje de tarde :D beijinho!

    ResponderEliminar
  4. o teu está mil vez melhor, nem se compara :o

    ResponderEliminar
  5. hehe :) não vai ser nada de especial :)

    ResponderEliminar
  6. tu é que sabes, eu gosto na totalidade :))

    ResponderEliminar
  7. Li agora a historia toda e digo-te já, tens muito jeito e adorei completamente (: espero já pela próxima :D beijinho *

    ResponderEliminar
  8. Bem, está lindo, como sempre.
    Tenho pena de ja ter acabado mas é assim, tem sempre um final.
    e verdade seja dita conseguiste o final muito bem logo, PARABÉNS :D
    Obrigada pela música (:

    ResponderEliminar
  9. não fazia ideia que tinha perdido tantos capítulos o: adorei mesmo! *-*

    ResponderEliminar